Esquadrões de fuzilamento em Cuba

Tradução nossa. Confira mais na seção Castrolândia


Por Babalú Blog.

Fidel Castro é muitas vezes retratado como o ditador “benevolente” de Cuba: tal imagem é indiscutivelmente falsa. A evidência de sua natureza sanguinária e assassina é inequívoca e está disponível a qualquer um que queira conhecer a verdade. Infelizmente, tal evidência raramente é discutida pelos meios de comunicação e nas escolas. Entre as atrocidades cometidas por Fidel Castro, talvez a mais terrível sejam os esquadrões de fuzilamento que ele implementou. Começando como rebelde, antes de finalmente tomar o poder em Cuba, Fidel Castro utilizou as execuções por pelotão de fuzilamento para impor disciplina, punir companheiros considerados desleais ou intimidar adversários em potencial. No começo do regime castrista, havia um reinado de terror típico das revoluções em que se faz uso predominante dos fuzilamentos, mas as execuções continuaram por décadas.

O Arquivo Cuba, que documenta mortes e desaparecimentos causados pela revolução cubana de Fidel Castro, documentou 3.615 execuções por fuzilamento conduzidas pelo Estado cubano desde que Castro tomou o poder em 1 de janeiro de 1959.

Os opositores da pena de morte devem estar chocados com a quantidade de mortes que Fidel Castro e seus cúmplices diretamente provocaram. Mas é importante notar que na Cuba revolucionária não há nenhuma das garantias processuais devidas presentes numa democracia de tipo ocidental. À maioria das vítimas fuziladas de Castro foi dado apenas um julgamento teatral cujo resultado estava predeterminado; algumas não tiveram nem isso.

Ernesto “Che” Guevara é um ícone da cultura pop; seu rosto adorna pôsteres e camisetas em todo o mundo. A maioria das pessoas não sabe que ele era o carrasco-chefe de Fidel Castro e foi pessoalmente responsável pelo fuzilamento de no mínimo 100 pessoas, muitas vezes com ele mesmo desferindo o tiro de misericórdia. Em resposta a questionamentos sobre os pelotões de fuzilamento de Castro, Guevara disse certa vez: “Para fuzilar pessoas não são necessárias provas judiciais. Esses procedimentos são um detalhe arcaico burguês. Isso é uma revolução. E um revolucionário deve tornar-se uma fria máquina de matar movido por puro ódio.”

Abaixo, um clipe castrista mostra um julgamento e uma execução durante o reinado de terror:


Além dos fuzilamentos, 1.253 assassinatos extrajudiciais são atribuídos ao regime de Castro.

Abaixo está a imagem de uma vítima fuzilada sendo vendada por um Raúl Castro jovem. É importante dizer que Raúl, o atual ditador de Cuba, muitas vezes apresentado como um homem de coração mole e pragmático, tem tanto sangue nas mãos quanto seu irmão mais velho, Fidel.


Mais imagens tenebrosas dos fuzilamentos castristas estão disponíveis em TheRealCuba.comLatinAmericanStudies.org. Um vídeo do Coronel Cornelio Rojas sendo executado por um pelotão de fuzilamento castrista pode ser visto aqui. Veja mais sobre a atmosfera circense que havia em torno dos julgamentos e execuções nesta reportagem histórica.

Os irmãos Castro também promoveram fuzilamentos mais recentemente. No verão de 1989, o regime castrista prendeu o General do Exército Cubano Arnaldo Ochoa e vários outros oficiais. Eles foram acusados de tráfico de drogas. Dentro de algumas semanas, Ochoa e outros três foram mortos nas mãos de um esquadrão de fuzilamento castrista. O julgamento foi uma farsa na qual Ochoa foi forçado a confessar (assista ao vídeo). Muitos acreditam que o verdadeiro crime cometido por Ochoa e outros acusados tenha sido a deslealdade, uma vez que Cuba é uma ponte conhecida para o transporte de drogas ilegais há anos e é altamente improvável que os irmãos Castro não o soubessem e não lucrassem com isso.

Em abril de 2003, o governo de Fidel Castro executou três homens que sequestraram uma balsa na tentativa de fugir de Cuba. Foram condenados à morte e fuzilados menos de duas semanas após o cometimento do alegado crime.

Índice

4. Presos políticos cubanos (Em breve)
5. Campos de trabalhos forçados: as UMAPs (Em breve)